REFLITA

Como fazer a sua parte em meio a crise da pandemia

Pequenos atos e gestos podem fazer uma grande diferença. Veja aqui algumas dicas do que você pode fazer agora para ajudar a todos em meio a crise criada pela pandemia.

Por “A gota”

Já há muito tempo que muito é preciso ser feito. Mas estamos ocupados com a nossa própria vida e falta tempo para olhar para o lado. No entanto, com a crise de saúde e financeira que a pandemia trouxe ao país (ainda mais) e ao mundo, tivemos que realmente parar. E não tem como agora não olhar para o lado.

Todos sem exceção, de uma maneira ou outra está sendo afetado, seja pelo vírus diretamente ou pelas consequências da pandemia que este trouxe. E cabe a cada um de nós fazer algo para ajudar a melhorar toda esta situação.

Veja algumas dicas:

Cuide-se e cuide dos outros

Em primeiro lugar agora é evitar o contágio, de si e dos outros. Por isso, é fundamental o uso de máscara, o distanciamento social e a higienização própria e de onde vive e trabalha.

Manter a renda

Se você tem a grande sorte de continuar a ter um salário, faça todo o possível para o manter. Seja adquirindo novas habilidades e conhecimentos (muita informação disponibilizada online e muitas gratuitas também).

Conseguindo uma segunda renda. Ou se vir que a empresa para a qual você trabalha está em risco, tente descobrir maneiras de a manter e sugira ao seu empregador.

No caso do seu cargo estar em risco, corra na frente e disponha-se a fazer mais tarefas ou outras. O importante agora não é a posição e sim manter um salário, uma renda.

Nada disso é simples, mas vale a pena tentar.

Perdeu o emprego

Se você, como tantas outras pessoas, perdeu o emprego. É hora de continuar em frente e não esmorecer. Comece já na busca de outro e tenha em mente que deverá também ver por vagas em posições abaixo do que você ocupava, bem como o salário.

A situação requer humildade acima de tudo.

Use a sua criatividade

Além de correr atrás de outro emprego, sem desistir (não há como…), porque poderá demorar a encontrar outro. Busque por alternativas. Use de criatividade.

Para e olhe a volta. O que a sua comunidade está em falta (para além do sistema de saúde e financeira), e veja o que você tem condições de oferecer.

Tele-entregas, novos produtos (produção de máscaras, luvas, sacolas descartáveis…), serviço para pessoas em risco e que devem estar ainda mais isoladas, e que possam pagar pelo serviço (compras, farmácia, buscar receitas médicas, etc), serviço de limpeza e desinfeção, cuidados de beleza, reparos e outros a domicilio e com todos os cuidados para evitar o contágio.

Monte um e-commerce. Faça comida pra fora. Use suas habilidades e crie algo para você garantir uma renda ao final do mês.

Pode não ser fácil, mas pior é ficar sentado reclamando. Aí sim será pior.

E o principal, não tente tirar vantagens sobre os outros. Vender artigos e serviços muito acima do preço, por exemplo. Use a sua “esperteza” para o bem. Escolha o melhor. Pois as consequências atingirão você também

Ajude!

Aqueles que já passavam por dificuldades, agora estão em uma situação ainda pior. E muitos que não passavam por tantas dificuldades, agora estão passando. Ajude como puder.

Seja com dinheiro (aí veja bem a quem e para quê), com comida, outros bens essenciais e medicamentos. Ou ajudando a fazer outras tarefas, como buscar as compras a um idoso ou outra pessoa que deve manter-se em isolamento. Ou simplesmente ajudando emocionalmente.

Ajude diretamente ou através de instituições.

O Intecept Brasil pubicou uma lista com pelo menos uma opção em cada estado do Brasil que cita, e no Distrito Federal, que inclui campanhas comunitárias de alimentos e distribuição de kits de higiene nas favelas e assistência aos sem-teto e pessoas LGBT+ em risco. Você também pode ajudar os trabalhadores rurais a alimentar suas famílias e contribuir para organizações que compram suprimentos médicos de emergência para hospitais públicos ou para a Fiocruz, que está na linha de frente da pesquisa de tratamentos que salvam vidas e uma vacina. Acesse a lista aqui

E esteja alerta a sua volta para possíveis sinais de maus tratos, seja a crianças, mulheres, homens, animais… o emocional geral está ainda mais a flor da pele e há quem esteja em risco mesmo dentro de casa. Chame as autoridades competentes se achar necessário. Não se cale. Ajude. Faça a diferença.

“Somos todos anjos de uma só asa e somente abraçados podemos voar…”

Reflita! Compartilhe este post para que mais pessoas tenham conhecimento de como ajudar.

Foto de cabeçalho: Vlad Tchompalov on Unsplash

Foto 2: Elaine Casap on Unsplash

Foto 3: AbsolutVision on Unsplash

Foto 4: Victória Kubiaki on Unsplash

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s