REFLITA

A verdadeira razão pela qual julgamos os outros sem saber. (Veja como sair deste ciclo)

Não é segredo que o julgamento está profundamente enraizado em nós como seres humanos. Pense a respeito: nós nos julgamos – nossos pensamentos, aparências e sentimentos (e depois nos julgamos por ter esses sentimentos). Julgamos os outros – suas decisões, experiências e conhecimentos.

Estamos constantemente analisando e criticando todas as ações para dar sentido ao mundo.

Esse julgamento talvez esteja no coração de nossa sociedade sistemicamente racista. De acordo com o xamã de sexta geração e autor do livro Spirit Hacking Shaman Durek , normalmente atribuímos valores morais aos julgamentos que fazemos aos outros, perpetuando um padrão que se tornou arraigado em nossa cultura .

“O julgamento deixa você cego”, diz ele. “Você nunca me verá, me conhecerá, porque tudo o que vê é o que seu cérebro está lhe dizendo para ver com base neste padrão mundial.”

O julgamento é generalizado em nossa sociedade, mas isso não quer dizer que não possamos fazer nada a respeito. Segundo Durek, a verdadeira razão pela qual julgamos os outros é mais simples do que pensamos, e requer apenas um pouco mais de trabalho e intenção de nos libertarmos deste ciclo vicioso.

o julgamento é simplesmente uma reação ao medo

Por que julgamos os outros?

Segundo Durek, o julgamento é simplesmente uma reação ao medo. “O julgamento é o seu mecanismo de proteção”, diz ele. “Então você não precisa se envolver com o desconhecido.” Quando não temos informações suficientes sobre alguém, nosso instinto inerente é temê-los, em vez de nos esforçarmos para aprender sobre eles e seus antecedentes.

Não é porque temos más intenções, por si só. Em vez disso, ele diz que essa aversão ao desconhecido tem sido difundida em nossa cultura: “Agimos dessa maneira porque não aprendemos inteligência emocional na educação que recebemos em nossas escolas e instituições”, explica Durek, “não nos envolvemos culturalmente com coisas que tememos, nem aprendemos com pessoas que não entendemos”.

O que podemos fazer?

Será necessário tomar uma ação consciente para ir contra instintos de julgamento tão profundamente enraizados. O primeiro passo: eduque-se. Aprenda quais recursos você tem disponíveis, diz Durek, e não tenha medo de fazer perguntas. (Afinal, esse medo é o que nos leva ao julgamento em primeiro lugar). “Temos que envolver-nos na conversa através da educação e perguntar às pessoas sobre sua cultura”, continua ele.

Depois de nos comprometermos com a educação, Durek diz que o próximo passo é “sair da idéia de rebaixar, culpar e apontar o dedo aos outros”. Em outras palavras, deixar de humilhar os outros e seguir uma jornada de aprendizado genuína sobre o outro.

“Temos que envolver-nos na conversa através da educação e perguntar às pessoas sobre sua cultura”

O sistema, de acordo com Durek, é projetado para nos manter divididos, uns contra os outros, a fim de manter os grupos marginalizados em opressão. É por isso que é tão importante se unir. É assim que podemos nos elevar acima do próprio sistema.

“Vamos transformar nossa raiva em combustível para nos impulsionar a criar mudanças reais, para que possamos prosperar e acabar com isso”, diz Durek.

Para realmente nos libertar do julgamento, precisamos abordar o desconhecido com genuína curiosidade, não com medo. Devemos nos sentir à vontade para perguntar às pessoas sobre sua cultura e não devemos perpetuar o rebaixamento e a culpabilização do outro.

Nosso sistema inerentemente racista prospera com esse padrão dos bons versus os maus. Porém, como Durek observa: “Somos inteligentes o suficiente para nos apegar ao amor, não importa o que vemos ou ouvimos”.

Acima de tudo, usarmos o bom senso, pois somos todos seres humanos, independente de nossa cultura, raça ou cor. E não são estes pressupostos que nos definem, e sim como realmente agimos neste mundo. Façamos a diferença.

Fonte: https://www.mindbodygreen.com/

Imagens: unsplash

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s